sábado, 16 de setembro de 2017

{F} Resenha | It, A coisa - Parte 1 | Andy Muschietti

Nenhum comentário:
No último dia 7 de setembro, estreou o filme It, A Coisa - parte 1 segunda adaptação da obra de mesmo nome de Stephen King e primeira adaptação para o cinema (It, uma obra prima do medo foi uma minissérie em dois capítulos para a televisão).

Havia muita expectativa em torno desse filme, tanto pela comparação entre as duas versões de Pennywise, o palhaço dançarino, feitas pelo veterano Tim Curry (1990) e pelo "novato" Bill Skarsgard (2017); quanto por ser a segunda adaptação de uma obra de King em 2017... a primeira - A Torre Negra - não foi bem recebida por público e crítica.

It, a Coisa e seu Pennywise não são ícones do terror por acaso. Porém, para qualquer um que já tenha lido o livro ou assistido a essa nova adaptação, fica claro que classificar It como um filme de terror, é um erro de conceito. Mais do que um filme para assustar, It é um filme que pretende contar uma história de aventura, com muito humor e delicadeza e, sim, muita tensão quando necessário. Em outras palavras, sempre foi uma história muito mais sobre a força, inteligência e inocência das crianças do que sobre um monstro assombrando uma cidade.

Dito isso, o filme é fiel ao material original, mas tem sua própria identidade, mudando apenas o que é preciso, como o medo do personagem Richie Tozier, que no livro era lobisomen, e no filme passa a ser a figura do palhaço, em si.


Outra mudança relevante é a mudança do ano em que se passa a história. No livro, vemos o verão de 1958. No filme, estamos no verão de 1989. A mudança serve como uma forma de referenciar os filmes da década de 80 e se aproximar de outras obras que marcam presença na Cultura Pop, como Stranger Things, que referenciou It e depois foi referenciado de volta.

Além da habilidade com que o diretor mescla situações tensas com as brincadeiras típicas da adolescência, outra parte positiva do filme está no elenco. Bill Skarsgard está maravilhoso no papel de Pennywise, sem dever nada a Tim Curry e sem ofuscá-lo tampouco. O jeito como os olhos dele, logo na primeira vez que ele aparece, estão um em Georgie e outro no espectador é bizarro. Sem falar no sorriso...


No entanto, o destaque vai para as crianças. Todas muito boas e duas delas demonstraram ter um ótimo tempo cômico, são elas Finn Wolfhard (que fez o Mike em Stranger Things e aqui vive Richie Tozier) e Jack Dylan Grazer (Eddie Karspak). Mas minha preferida nesse novo elenco foi Sophia Lillis (Beverly Marsh), que conseguiu dar todas as camadas que a personagem precisava: é gentil ou durona quando precisa perto dos meninos e frágil diante do pai - o que, aliás, é o que mais me dá medo no filme. Não o monstro à espreita, mas os adultos que atacam ou os que fecham os olhos.

O filme foi dividido em duas partes, a primeira com os personagens centrais ainda crianças, conhecendo e lutando contra a Coisa pela primeira vez, e o segundo com os personagens já adultos, e focará mais na verdadeira natureza da Coisa e sua influência na cidade de Derry. A segunda parte será lançada em setembro de 2019.

Mas, se não quiser esperar até lá, Stephen King já deu a dica...


"Não quer esperar pela Parte 2 de It, o filme? Você sempre pode ler It, o livro. Apenas dizendo."

Leia a resenha do livro nesse link.

sábado, 2 de setembro de 2017

{F/S} Resumo | Assistidos | Agosto - 2017

Nenhum comentário:
Olá =]

O ano está passando rápido e finalmente chegamos no melhor mês, setembro, mês do meu aniversário, fim do inverno e início da primavera. Sei que isso não é importante para ninguém além de mim, mas não consigo me impedir de ficar feliz por estarmos em setembro =D

Enfim, nada disso tem a ver com o post de hoje, que é mais um resumo do que eu assisti em agosto, o mês que demora um ano para passar.

Vamos lá?

::: Filmes :::

1) Austrália

O filme conta a história de Lady Sarah Ashley (Nicole Kidman), que se muda para a Australia para encontrar o marido, que estava cuidando da propriedade deles naquele país. Ao chegar, ela descobre que o marido acabara de ser assassinado por um aborígine, conhecido como Rei George. No entanto, o neto desse aborígine, um mestiço chamado Nullah, a convence que o crime foi cometido pelo capataz da fazenda.
Como mestiço, Nullah é procurado pelas autoridades australianas, para ser tirado da família, algo comum na Austrália daquela época (1939) e que ficou conhecido como Gerações roubadas. Durante a tentativa de se esconder das autoridades, Nullah e a mãe, aborígine, se escondem em uma torre de água, mas, por não saber nadar, a mãe morre e Nullah fica sob os cuidados de Sarah.
Sarah precisa de ajuda para levar o gado da fazenda até o porto, onde pretende negociá-los, e para isso conta com Drover (Hugh Jackman). 
A partir daí, o filme se mostra uma mistura de faroeste, com romance e no final até cenas de guerra tem. 
Sei que esse filme não é novo, mas só assisti no comecinho desse mês. Achei legal, mas para ser sincera, não morri de amores. Não sei bem porquê.

2) O que fazemos nas sombras

Esse é decididamente um filme que eu não estava esperando assistir. Meu namorado achou na Netflix e me mostrou e acho que finalmente encontrei um filme de comédia que realmente me pegou. Trata-se de um filme alemão, que se passa na Nova Zelândia (?), sobre vampiros tentando viver na sociedade moderna. A melhor parte, no entanto, é que se trata de um falso documentário!
Conhecemos então a rotina de quatro vampiros, cada um de uma época diferente (entre eles o famoso Conde Vlad, o empalador), que moram em uma casa no subúrbio da Nova Zelândia e precisam lidar com problemas como quem lava a louça, conflitos com lobisomens, convivência com humanos e caçadores de vampiros.




3) Annabelle 2 - A criação do mal

Então...
Eu sou fã da franquia Invocação do mal, um dos meus filmes de terror favoritos e gostei muito do primeiro filme da Annabelle, derivado da franquia. Então, eu estava ansiosa para assistir esse filme. E que decepção. Ele até dá uns sustinhos, mas filmes de terror não são feitos apenas de sustos. A bruxa é a maior prova disso. Não, filmes de terror são feitos de tensão e bons roteiros. Mas esse me entregou um clichê para explicar a tal "criação do mal". Não quero dar spoiler, mas foi a saída mais simples para explicar uma coisa que, sinceramente, não precisava ser explicada.
A melhor parte do filme foi o final, que amarrou com o começo do primeiro filme. Mas essa é a minha opinião, muita gente provavelmente nem liga para isso.
O filme conta desde a criação da boneca, até a chegada de um grupo de meninas órfãs, que precisam de um lugar para ficar, pois a igreja não tem mais condições para sustentá-las. Até aí tudo bem, porém...
Ah, desculpa, mas tenho que falar e se não quer saber spoiler, melhor pular para o próximo tópico...
<Spoiler> Se você tem a porra de uma boneca possuída na sua casa, mesmo que esteja contida na droga de um armário, porque você traz mais pessoas para a sua casa? Aliás, para começo de conversa, porque você não demoliu a casa, com a boneca dentro, logo que conseguiu prender a coisa, e se mudou para bem longe? Tá, filmes de terror já até nos ensinaram que fugir não adianta, mas isso ainda não explica porque eles aceitaram as crianças. O filme até tenta dizer que eles sentiam falta do barulho de criança na casa, mas eles sabiam que tinham uma bomba escondida ali. <Spoiler>

::: Séries :::

1) Game of thrones - Temp. 07 - Ep. 04, 05, 06 e 07

Como não podia deixar de ser, assisti aos episódios finais da temporada de GOT e, ao contrário do que muitos fãs estão dizendo, eu achei a temporada boa. Ainda não gosto do plano idiota do Tyrion, nem do fato de que ninguém percebeu que era idiota, mas ei, os fins justificam os meios. No caso, o "fim" é levar a história até onde ela tem que ir. Podiam ter pensado num jeito melhor de fazer isso? Provavelmente, mas não vou ficar aqui reclamando. Espero que a oitava e última temporada não seja apenas em 2019.
E sim, eu shipei, não gostou, me processa.







2) Amor e casamento - Ep. 13, 14, 15 e 16

Essa foi o primeiro kdrama que eu comecei a assistir... e o último que terminei. Não que ele seja ruim, mas como eu falei na resenha, é muito drama. Mesmo assim, eu gosto bastante dela.







3) O nevoeiro - Temp. 01 - Ep. 01, 02, 03, 04 e 05


Eu provavelmente não deveria começar uma nova série antes de terminar outras, como Orphan Black, por exemplo. Porém, não consegui resistir. É outra adaptação das obras do Stephen King e... né.
A série conta sobre uma cidade que de repente é tomada por um névoa. O que não seria tão ruim, se não houvesse alguma coisa ali no meio que provocasse alucinações (?) e mortes.
Tem um filme adaptando o mesmo conto (O nevoeiro), mas ainda não sei até que ponto tanto o filme quanto a série são fieis ao conto, porque também ainda não li. =/
O caso é que estou gostando da série, mesmo que a qualidade não seja aquelas coisas. Vamos ver no que vai dar.