sábado, 12 de agosto de 2017

{F} Recomendação | Filmes de terror | #1

Nenhum comentário:
Olá! XD

Hoje resolvi falar sobre filmes de terror, só porque deu vontade e não quero esperar até outubro. Não sou nenhuma especialista no assunto, comecei a assistir filmes do gênero há pouco tempo, graças a Stephen King, então... Mas as recomendações de hoje são um pouco temáticas - trata-se de filmes que não estão no circuito de Hollywood. São dois filmes orientais, que trazem toda aquela estética característica que combina muito bem com o terror. E, claro, se você não tem estômago para assistir a imagens fortes, é melhor ignorar esse post...

1) Battle Royale - Japão



Eu já fiz a resenha do livro lá em 2015, caso você prefira conhecer pela mídia primária.

A história se passa em um futuro distópico e em um país chamado República da Grande Ásia Ocidental onde o governo é autoritário. Para controlar a população, eles criam o Programa, no qual a nona turma de ensino fundamental é escolhida para participar de um jogo... no qual eles precisam matar uns aos outros para sobreviver.

Você já viu essa premissa em algum lugar, né? Mas, só para constar, esse livro e o filme vieram bem antes, okay?!

Apesar de algumas diferenças em relação ao livro e ao manga, o filme acompanha esses jovens enquanto nos traz flashbacks sobre suas vidas antes de serem levados para a ilha. E sou obrigada a avisar que, sendo um filme japonês, tem muito sangue e gore e overacting.

"A vida é um jogo"
2) Invasão zumbi - Coreia do sul



Esse filme é mais recente e causou certo falatório quando foi lançado. Trata-se, como o nome já diz, de um filme de zumbi, que veio um pouco depois da explosão de filmes e séries sobre o gênero. Mas, se quer a minha nada humilde opinião, esse filme é bem melhor que muitas das obras. Para ficar no campo cinematográfico, é melhor que Guerra Mundial Z.

No filme, a gente acompanha um pai divorciado que tenta agradar a filha levando-a para passar o aniversário com a mãe, na cidade sul coreana Busan. No trem, eles descobrem que o país está passando por uma crise para a qual está despreparada: as pessoas estão surtando e atacando uma às outras. Claro, ninguém nunca fala a palavra zumbi nesses filmes.

Aos poucos somos apresentados a outros personagens-sobreviventes e vai ficando muito difícil não torcer para que eles consigam chegar a Busan, mas, sabe como é, né...

De novo, sangue, gore e overacting, porque sim.


domingo, 6 de agosto de 2017

Filme - Série | Resumo | Junho - Julho | 2017

Nenhum comentário:
Olá você!

Mais um post sobre os filmes e séries que assisti nesses últimos dois meses. Estou bem contente com a maioria deles, porque foram ótimas opções para passar o tempo, embora nem todas tenham sido minha primeira vez assistindo... rs

Recordar é viver, certo?

Bom, vamos começar, porque a lista é longa.

::: FILMES :::

1) Mulher-Maravilha
Um ótimo filme sobre super heróis, como há muito tempo eu não via. De verdade. Estou ficando um pouco de saco cheio do gênero, que parece cada vez mais desesperado para fazer mais e... acaba fazendo menos. Enfim, esse filme foi bom e eu adorei cada pedacinho dele... até o final, que deixou um pouco a desejar. Para mais detalhes, ler a resenha que vou deixar linkada aqui.











2) Homem-aranha: De volta ao lar
Esse é um personagem do qual eu gosto bastante, apesar de não ser a maior fã da Marvel Comics. Sou da geração que assistiu aos primeiros filmes com Tobey McGuire e não consigo desapegar da minha primeira impressão deles, que é positiva. Ignorando, claro, o terceiro filme, porque...
Bom, em De volta ao lar, temos outro aranha, esse vivido por Tom Holland, que é um ator que conheci no filme O impossível. Adorei saber que ele ficou com o papel, acho que é um ótimo ator.
Sobre o filme em si, gostei muito. Mas as cenas de ação ficaram um pouco estranhas. Muita coisa acontecendo e não dá para ver direito. Gostei do vilão também, apesar de achar que as "coincidências" da vida são muito forçadas, isso em qualquer história.



3) A múmia
Pensa em um filme ruim. Aqui está ele. Eu sou fã do trabalho do Tom Cruise, mas sou ainda mais fã dos dois filmes da franquia estrelados por Brendan Fraser. O último eu também desconsidero, por motivos de ser muito ruim. Enfim... aqui temos uma tentativa de reinventar a franquia e integrá-la ao universo de monstros que a Universal Studios está tentando criar. A ideia é até boa e tem uma referência curiosa a O médico e o monstro do Robert Louis Stevenson. Mas a história é fraca. Para variar, o protagonista tem que ter uma parceira inútil a ser salva e a vilã é genérica e sem força.








4) Independence day: O ressurgimento
Lembra daquele filme que passava direto na sessão da tarde, com o Will Smith e que tentava fazer a gente acreditar que o presidente dos Estados Unidos subiria em um caça para salvar o mundo? Então, esse filme aí ganhou uma continuação há alguns anos. Sem Will Smith. Não que tenha feito falta. Mas... o filme não é muito bom não.











5) O Clube dos Cinco
Se você ainda não assistiu esse filme, tem alguma coisa faltando no seu conhecimento de Cultura Pop. Sou uma entusiasta desse filme, desde a primeira vez em que assisti e me identifiquei tão rápido com aqueles personagens - especialmente a esquisita - que não consegui esquecer nunca mais. E é claro que precisei assistir de novo e de novo e de novo e quantas vezes mais forem necessárias. Adoro esse filme.











6) Ela é demais
Tá, esse filme não é tão legal, mas eu precisei assistir de novo. Clássico caso de menina-feia-que-fica-bonita-quando-tira-os-óculos e do cara-que-fez-uma-aposta-mas-se-apaixona-de-verdade.
Enfim, bobagem adolescente dos anos 90.












7) Enquanto você dormia
Um filme da Sandra Bullock em que ela é apaixonada por um cara com quem ela nunca falou. Ele sofre um acidente e ela o salva, mas ele fica em coma por várias semanas. Durante esse tempo, ela se apaixona pelo irmão do cara... Eu sei, parece bobo, mas eu gosto, tá!













8) Até o último homem
Esse filme é com o Andrew Garfield, que também fez o Homem-Aranha recentemente (O incrível Homem-Aranha). Aqui, ele interpreta um rapaz que se alista no exército, mas, por questões religiosas, se recusa a pegar em armas. Depois de enfrentar vários desafios para se provar e permanecer no exército, ele prova seu valor quando salva a vida de vários homens que ficaram para trás após enfrentar o exército japonês na Segunda Guerra Mundial. Baseado em fatos reais.








9) Invencível
Na mesma onda de história real de um veterano de guerra, assisti esse filme, que foi dirigido por ninguém mais, ninguém menos que Angelina Jolie. Conta a história de um jovem atleta que após participar de uma olimpíada, foi para a guerra e se tornou prisioneiro de guerra dos japoneses (eles de novo). A história é bem triste, de fato, mas o apelo dramático é um pouco mais forçado aqui. Mesmo assim, é um bom filme.











10) Invasão zumbi
De longe, meu favorito nessa lista. É um filme coreano sobre zumbis. E eu estou muito apegada à Coreia do Sul ultimamente...
De qualquer forma, a história acompanha um pai divorciado e sua filha, enquanto eles pegam um trem para levá-la à casa da mãe, em Busan. No caminho, eles descobrem que o país inteiro está sob uma nova ameaça: os zumbis (claro que ninguém usa esse nome, o que parece ser uma regra-não-dita do gênero).
A pegada é eletrizante e eu me peguei torcendo pela vida de vários personagens... em vão.
Muito bom esse filme!!!







::: SÉRIES :::

1) Game of thrones - Sétima temporada, episódios 1, 2 e 3
Sim, claro que a maioria já poderia imaginar isso vindo. Estamos naquela fase em que parte das pessoas na internet são fãs que assistem religiosamente os novos episódios nos domingos. Os que não conseguem assistir e precisam fugir dos spoilers. E tem aqueles que não fazem a menor ideia do que está acontecendo e só fica com raiva das outras duas partes por não conseguir falar sobre outra coisas. Uma dica para essa turma: é assim que a gente se sente quando vocês não param de falar sobre Big Brother Brasil.









2) Oh my ghost
Mais uma série coreana para minha lista! E mais uma muito boa.
Soon-ae morreu há pouco mais de dois anos, mas precisou ficar na Terra para resolver seu "ressentimento", que ela acredita ser o fato de ter morrido virgem. Para isso, ela tenta possuir outras mulheres e utilizar seus corpos para conseguir o que quer, mas sem sucesso. Até que ela esbarra em Bong-sun, uma garota tímida que tem a habilidade de ver e falar com fantasmas. Através dela, Soon-ae conhece o chef Kang Sun-woo, por quem a própria Bong-sun é apaixonada. Assim, as duas fazem um acordo: Bong-sun permite ser possuída para resolver o problema de Soon-ae e em troca, Soon-ae a ajuda a conquistar o chef.
Claro que a história não é só sobre isso, envolvendo também as descobertas de Soon-ae sobre as circunstâncias sinistras de sua própria morte.
Vale um ponto extra pela maquiagem dos "demônios".


quarta-feira, 26 de julho de 2017

DMP | Desapego | Livros para troca no Skoob | #1

Nenhum comentário:
Olá você! Como vai sua semana? Andei meio distante do blog esses dias, mas foi por um bom motivo: não estava afim. Escrever por escrever não faz bem a ninguém, então eu só deixei estar.

Hoje, volto para falar sobre os livros que coloquei à disposição para troca pelo Skoob Plus. São bons livros, bem conservados e dos quais eu gosto um pouco - mas não o suficiente para ler novamente.

Link para meu perfil no Skoob - Lembrando que só vou fazer trocas com quem participar do Skoob Plus.

Vamos a eles:

1) As crônicas de Nárnia - volume único - C. S. Lewis - Resenha

Eu comprei esse livro há uns dois ou três anos, li e não achei aquelas maravilhas que todo mundo fala. Acho que meu limite para infantil foi Pedro Bandeira e Harry Potter, porque depois disso, nenhum livro me interessou muito.

Estou disponibilizando o livro por 2 créditos, porque ele está em bom estado. Sem rabiscos e sem dobras nas páginas. Leve dobra na capa.











2) A culpa é das estrelas - John Green - Resenha

Bom, esse é um dos meus livros favoritos entre os que estou disponibilizando. Eu realmente me apaixonei pela história e, nesse caso, não é que eu não queria ler novamente. Mas realmente não tenho mais espaço para acumular livros. Então, esse foi sorteado.

O livro está em ótimo estado. Sem dobras, sem rabiscos, sem qualquer sinal de estrago. Comprado em 2013. Disponibilizado por 2 créditos.











3) Cidades de papel - John Green - Resenha

Mais um livro do John Green na lista. Só que desse eu não gostei muito. É um daqueles raros casos em que o filme é melhor. O que também não significa que o livro não seja razoavelmente bom.

Também está em ótimo estado de conservação, comprado em 2016. Liberado por 2 créditos.












4) Os três mosqueteiros - Alexandre Dumas - Resenha

Bom, esse já é um caso mais complicado na minha vida. É um clássico da literatura, que muita gente ama, principalmente Hollywood.

Eu gostei, mas não amei.

O livro está em bom estado de conservação, considerando que é de quando minha mãe era adolescente. As páginas são brancas e a capa é dura.

O único problema é que, quando fui tirar os marcadores adesivos, uma página ficou com uma manchinha quase imperceptível. Estou liberando por 1 crédito.





Tem outros livros que estou disponibilizando, mas como ainda não tirei foto deles, vou deixá-los para o próximo post.

Até a próxima, tenham uma ótima semana e fui =].

domingo, 16 de julho de 2017

Série | Recomendação | Favoritas | Parte 1

Nenhum comentário:
Olá de novo! =D

Hoje eu vim falar sobre as minhas séries favoritas, só porque senti vontade mesmo... E porque hoje estreia a sétima temporada de Game of Thrones e não consigo me aguentar de ansiedade =P

As séries que vou citar aqui são muito diferentes entre si e boa parte delas ainda não terminaram. Algumas nem são assim tão boas, mas gosto não se discute. Nem com você mesmo.

*

1) Supernatural



Já cansei de ler nos comentários do Omelete ou do Jovem Nerd, toda vez que eles postam alguma coisa sobre a série: "Supernatural deveria ter acabado na quinta temporada".

Amigo, se você não gosta, não assiste. Se acha que deveria ter acabado na quinta temporada, ótimo. Eu até concordo com você. É muito fácil ver em que pontos a série andou passando um pouco dos limites, forçando uma mitologia só para dar continuidade à trama. Então, sim, eu entendo seu comentário. No entanto...

Eu gosto da série mesmo assim. E sabe porquê? Porque os próprios atores e produtores não se levam a sério. Isso pode não parecer uma coisa boa, mas veja por esse lado: é apenas um bando de gente se divertindo fazendo o que gostam e entretendo pessoas que querem consumir o produto deles. Qual o problema disso?

Claro, tem só uma coisa que realmente me incomoda em alguns momentos: o excesso de drama entre os irmãos. Tem lá bastante coisa que gosto nesse aspecto, mas tem aquela pisada fora da linha que é difícil perdoar. Eles são mutualmente dependentes e começo a achar que isso é caso para um psicólogo.

De qualquer forma, a série fala sobre dois irmãos que caçam criaturas sobrenaturais pelo país. Lá no comecinho da série, a proposta era encontrar o pai e o demônio que causou a morte de sua mãe. Depois, foram impedir o Apocalipse e, desde então, cada coisa que eles resolvem acarreta outro problema e por aí vai.

Alguns dizem que a série vai durar enquanto os protagonistas quiserem fazê-la, outros já estão colocando um ponto final na temporada 14 ou 15. Não sabemos direito. Talvez esteja na hora de terminar, mas para ser sincera, já estou sentindo saudade desde já.


*

2) Orphan Black



Essa série foi uma grande surpresa para mim. Eu já tinha visto a propaganda na Sony e ouvido a Aline do Omelete falar muito bem da trama, mas um dia, depois de assistir Sense8, resolvi arriscar essa.

E que série, minha gente!

Trata-se de uma série de ficção científica na qual a clonagem de seres humanos é possível. Sarah, uma criminosa que está voltando para casa depois de muito tempo para recuperar sua filha, encontra em uma estação de trem uma mulher muito parecida com ela mesma. As duas se olham por alguns instantes, até que a outra mulher simplesmente deixa a bolsa para trás e pula na linha do trem. Sem entender o que acaba de acontecer, Sarah vai até a bolsa da mulher e pega sua carteira.

A partir daí, ela assume a identidade da mulher, mas seus problemas apenas começam. Isso porque ela descobre que Beth (a mulher que se jogou na frente do trem) é apenas uma das muitas mulheres que se parecem com ela. Tem a dona de casa Alison, a cientista Cosima, a assassina Helena e por aí vai.

Sério, é boa!


*

3) Sense8



Tá, nem é justo indicar uma série que foi cancelada, mas a Netflix prometeu fazer um episódio especial de duas horas para dar fim à trama, então, na minha concepção, vale sim. Além disso, a série é muito mais que a sua trama. Ela fala de questões humanas, acima de tudo, sobre diversidade e a necessidade de termos mais empatia.

A história fala sobre oito pessoas de diferentes lugares do mundo que, do dia para a noite, começam a se conectar psiquicamente. Eles podem conversar como se falassem a mesma língua, acessar habilidades uns dos outros, e até sentir o que o outro sente. A cena em que o Lito sente os efeitos da cólica e TPM da Sun é maravilhosa!

Os personagens são cativantes, a trama te deixa realmente envolvido, as cenas são lindas, bem filmadas. Os atores são ótimos. Eu amo muito essa série. Foi terrível saber da decisão da Netflix, mas eu entendo. Era uma série muito cara, para poucas pessoas assistirem: a maioria brasileiros, diga-se de passagem.

Por favor, dê uma chance. São pouco mais de 20 capítulos e 2 temporadas.

Plus: É das mesmas criadoras de Matrix!


*

4) Game of Thrones



É, pois é. Eu não ia citar a série lá em cima só para deixá-la de fora da lista, né.

Acho pouco provável que ainda haja alguém que não conheça a série, mas não custa nada explicar de novo.

Trata-se de uma série de fantasia baseada nos livros de George R. R. Martin e que fazem parte d'As crônicas de gelo e fogo. Tem dragões, lobos gigantes, zumbis de gelo e outras criaturas-estranhas-ainda-não-explicadas. Mas também tem muita intriga política, com famílias nobres guerreando para ver quem vai sentar a bunda no Trono de Ferro. Se é que vai sobrar alguma coisa quando o Rei da Noite chegar. Provável que não.

A mitologia da série é muito complexa para tentar sintetizar em poucas linhas. É preciso assistir. E ler. Aqui no blog temos resenha dos três primeiros livros, que vou deixar linkados abaixo. Eu estou no meio da leitura do quarto livro. Mas vale a recomendação extra aqui: os livros são muito bem escritos, cada capítulo falando de um personagem diferente e a ambientação que o George R. R. Martin faz de cada cenário é uma aula de escrita. Maravilhoso!


*

5) Stranger Things



Outra série da Netflix que simplesmente não podia ficar fora dessa lista. Ela me conquistou desde o primeiro episódio e não sei como pode ter alguém que não se rendeu a essas crianças ainda... né Fred.

Enfim...

A história é sobre um grupo de garotos que descobrem que um de seus amigos desapareceu. Mais: tem um monstro aterrorizando a cidadezinha em que eles moram. E a única esperança deles é uma garota chamada Eleven e que tem poderes telecinéticos.

A série foi criada com a intenção de homenagear os filmes dos anos 80, especialmente as obras de Steven Spielberg e Stephen King.



*

Espero que vocês possam dar uma chance a essas séries, porque elas são maravilhosas e merecem serem acompanhadas. Se já assistiu alguma ou pretende assistir, por favor deixe nos comentários e vamos conversar =]



Links:

As crônicas de gelo e fogo [Game of Thrones] - George R. R. Martin

A guerra dos tronos ] |A fúria dos reis ] |A tormenta de espadas ]

sábado, 8 de julho de 2017

Livro | Resenha | Os três mosqueteiros - Alexandre Dumas

Nenhum comentário:
Os três mosqueteiros foi um dos livros que mais despertaram minha curiosidade ao longo desses anos como leitora. Eu conheci a história quando era criança, através do filme de 1993, que passava na Sessão da Tarde, com nomes como: Charlie Sheen (Aramis), Kiefer Sutherland (Athos), Oliver Platt (Porthos), Chris O'Donnell (D'Artagnan) e Tim Curry (Cardeal de Richelieu). Eu não lembro de muitos detalhes do filme, porque eu era muito pequena, mas lembro que me divertia quando passava... Hoje em dia acho apenas curioso que Charlie Sheen tenha atuado como Aramis...

A leitura é surpreendentemente fácil e fluída, por causa dos diálogos - cumpridos demais, na minha opinião, mas justificados pelo simples fato de que a história foi escrita em formato de folhetim e, à época, os autores ganhavam por página/palavras. Ou seja... para bom entendedor, meia palavra basta, mas para bom escritor, talvez seja necessário o dobro de palavras...

Calma, não estou falando mal do livro nem do autor. Eram outros tempos e o livro não é ruim. Longe disso. O que acontece é que eu e o Alexandre Dumas tivemos algumas diferenças ao longo dessa leitura. Enquanto eu tentava me lembrar que o livro foi escrito por volta de 1800 e que sua história se passa nos idos de 1600, e, por mais que eu tentasse entender que os personagens e suas atitudes refletissem essa época, algumas coisas na história iam me deixando cada vez mais desanimada com as diferenças culturais dos séculos que nos separam.

Outra dificuldade foi lidar com o protagonista, o rapazote D'Artagnan. Eu sei que boa parte desses personagens foram pessoas que realmente existiram, pois Os três mosqueteiros é um romance histórico. Mesmo assim, não consegui me desapegar da minha antipatia pelo protagonista. Ele tem todas aquelas qualidades clássicas dos heróis: ele é jovem, impulsivo, sagaz quando quer, apaixonado pelo sexo feminino e bom de luta. Ora, não tem como errar com um personagem desses. Além disso, a história tem um constante tom de aventura, comédia e ironia, então eu tenho certeza que o personagem e suas aventuras agradam muita gente (desnecessário dizer, já que o livro é um dos clássicos universais obrigatórios da literatura).

A história tem um ritmo acelerado, nunca ficando muito tempo parada, mas ao mesmo tempo, sem parecer chegar a lugar algum. O tempo todo D'Artagnan sai de uma situação difícil e logo se mete em outra, enquanto a trama principal acaba ficando esquecida por um tempo, para voltar triunfante no final. O que é muito bem feito pelo autor.

*

D'Artagnan é um jovem que, por recomendação do pai, segue para Paris com o sonho de se tornar Mosqueteiro. Para isso, seu pai escreve uma carta para um amigo, o comandante dos Mosqueteiros, recomendando-lhe o filho para o serviço do rei. No entanto, no meio do caminho para Paris, D'Artagnan se mete em uma briga com um homem misterioso, que lhe rouba a carta. Na ocasião, ainda, D'Artagnan testemunha esse mesmo homem falando com uma mulher que aparenta ser da alta sociedade.

Em Paris, os problemas de D'Artagnan não terminam. Ao reconhecer o homem com quem teve aquela desavença, ele começa a persegui-lo pela cidade, esbarrando em outras pessoas pelo caminho: os três mosqueteiros mais encrenqueiros de Paris. O primeiro, Athos, marca um duelo para o meio-dia. O segundo, Porthos, marca outro duelo para a uma hora. O terceiro, Aramis, outro duelo para as duas horas. O encontro dos quatro homens é interrompido pelos guardas do Cardeal, com quem travam uma batalha sangrenta. Pelo valor demonstrado em combate, D'Artagnan conquista a confiança dos outros três e a partir desse momento, eles não mais se separaram. E aí está a minha parte favorita do livro inteiro: a amizade entre os quatro personagens centrais. "Todos por um e um por todos".

O Cardeal de Richelieu é logo no começo apontado como o principal vilão do livro, porém, mais adiante, quem se destaca é Milady. Geralmente, assim como não morro de amores por protagonistas, também não costumo gostar dos vilões. Ou, pelo menos, não tenho a tendência de "romantizar" ou "simpatizar" com eles. Porém, nesse livro, minha personagem favorita foi justamente Milady. Não que tenha sido assim logo de primeira, mas à medida que Dumas deu mais espaço para a personagem e suas maquinações, eu não consegui mais desgrudar os olhos do livro.

Apesar de não ser uma personagem trabalhada profundamente e tendo apenas ambição como força motriz, Dumas conseguiu me convencer que essa mulher é forte, inteligente e perigosa.

Nenhuma outra mulher na história recebe melhor tratamento do autor. Algumas mais inocentes e outras mais indecentes, todas parecem "vis e danosas". Porém, é aquela coisa, esse é um livro escrito em outra época, refletindo valores de outras épocas.

Os três mosqueteiros é uma boa pedida para quem gosta de aventuras e personagens caricatos. É uma história leve e bem humorada, que leva seu próprio tempo para evoluir para algo mais sério e até violento.

Apenas procure não ser tão mal humorado quanto eu e vai aproveitar melhor...

*


Os três mosqueteiros é o primeiro livro d'A trilogia dos mosqueteiros, composta também pelos livros Vinte anos depois e O Visconde de Bragelonne. O primeiro livro foi adaptado várias vezes e se tornou uma história conhecida no mundo todo - mesmo quem não leu os livros conhece os nomes de Athos, Porthos, Aramis e D'Artagnan. O filme O homem da máscara de ferro adapta a história do terceiro livro.

sábado, 1 de julho de 2017

Resenha | Filme | Mulher-Maravilha

Nenhum comentário:
Finalmente um filme sobre uma heroína! Depois de anos vendo as mais variadas versões de Batman, Superman - e Homem-aranha, pela Marvel - chegou a vez da Mulher-Maravilha. Ela faz parte da Trindade de heróis da DC Comics, os três heróis mais poderosos e influentes do universo criado pela editora.

A heroína até teve sua série de TV e sua importância nos desenhos animados - longas e seriados. Mas em um mundo dominado pela Cultura Pop, por dezenas de filmes de super heróis lançados anualmente, já estava ficando feio ignorar essa personagem tão importante para a história dos quadrinhos...

Não que a gente não tivesse a Viúva Negra nos filmes da Marvel, mas convenhamos, temos 2 Os vingadores, 2 Capitão América, 1 Hulk, 2 Thor (+1 por sair) e 3 Homem de Ferro... e nenhum filme da Viúva Negra... ou do Gavião Arqueiro...

Ah, Soraya, mas Marvel e DC são editoras diferentes e...

Concordo, mas estou falando de forma generalizada de propósito. Na própria DC Comics, como comentei em cima, tivemos várias versões dos outros dois membros da Trindade, e só agora, no meio de 2017, é que finalmente conseguimos um filme para a Mulher-Maravilha. Nem estou falando por vieses feministas, nem nada... apenas estou dizendo que já não era sem tempo. Além disso, não vamos esquecer que ela foi a única coisa da qual ninguém pode reclamar em Batman vs Superman: a origem da justiça. E olha que sou do time que gostou do filme, apesar dos pesares.

*

Diana (Gal Gadot) é uma princesa amazona, que passou a sua vida inteira em Themyscira (ou Ilha Paraíso), uma ilha que permanece escondida do mundo dos humanos por milênios. Sem contato com homens e com as coisas que estão acontecendo no mundo deles, Diana é uma guerreira poderosa, porém inocente. Até que seu mundo de repente colide com o de Steve Trevor e seu destino começa a se mostrar para ela.

Steve Trevor é um espião do exército americano, que cai na ilha de Themyscira durante sua fuga do exército alemão - sempre eles. Ele é salvo por Diana e mais tarde, interrogado com ajuda do laço da verdade. Ele relata que o mundo está enfrentando uma guerra de proporções mundiais (mais tarde conhecida como Primeira Guerra Mundial) e que ele possui informações que podem colocar um fim ao conflito.

Hipólita, mãe de Diana e líder das amazonas, acredita que essa é a guerra pela qual estavam esperando, desde que Ares - o deus da guerra - desapareceu há milênios. No entanto, após tantos anos vivendo em paz e desejando proteger sua única filha do destino que a aguarda, Hipólita não quer tomar parte nos assuntos dos humanos. Algo de que Diana discorda, tendo passado a vida inteira se preparando para essa ocasião.

Diana, então, vai contra as ordens de sua mãe e decide partir com Steve para a Inglaterra, com o propósito de encontrar e enfrentar Ares.

Assim que chega em uma Inglaterra cinza e tomada pela guerra, Diana tem seu primeiro choque de realidade. Ao longo do filme, não faltam momentos em que Diana se depara com situações que a deixam ao mesmo tempo confusa e revoltada.

*

O que é interessante sobre esse filme é justamente a protagonista, que não segue o padrão do mito do herói e em nenhum momento foge do perigo. Ela quer se tornar uma guerreira, ela não espera que alguém a proteja, nem a oriente o tempo todo. Quando uma situação difícil se impõe, Diana é a primeira a ir enfrentá-la e salvar o dia... mais de uma vez!

Seu coadjuvante, Steve Trevor (Chris Pine), também é um personagem interessante. Se esse filme fosse um blockbuster comum, ele seria o herói que salvaria a mocinha e se colocaria em perigos desnecessários explicados apenas por um enredo cheio de testosterona. Aqui, ele se vê na inusitada situação de alguém que descobre que existe uma ilha escondida da humanidade, onde mulheres são guerreiras poderosas, que falam sobre deuses e um passado muito mais antigo do que ele possa imaginar. Mais do que isso, ele está acompanhado de Diana, uma mulher capaz de enfrentar um exército sozinha e levantar tanques de guerra! O que um simples homem poderia fazer para protegê-la?

Não que ele não tente. A inocência de Diana e sua paixão pela humanidade entram em conflito com as experiências de Steve e o tempo todo ele tenta fazê-la entender que o mundo real - o seu mundo - é cruel e que, às vezes, as pessoas são más, sem precisar da influência de um deus. E ele pode estar certo quanto a isso.

*

O final é a mais fraca do filme. Filmes de heróis têm dessas coisas, a necessidade de um final boss, uma luta espetacular entre dois personagens que estão acima dos demais personagens. É justamente a necessidade de repetir isso nesse filme, que faz com que a conclusão seja apressada e um pouco fora do tom. Porém, não chega a estragar a obra, que entrega aquilo que todo fã da DC Comics, de quadrinhos, do antigo desenho da Liga da Justiça queriam ver há muito: um bom filme com uma boa heroína.

[ATUALIZADO: Houveram outros filmes com heroínas, como Mulher-Gato, Eléctra, etc. Mas qualquer um que viu esses filmes, sabe que eles nem deveriam contar...]

sábado, 24 de junho de 2017

Filmes | Estreias de julho, agosto e setembro | 2017

Nenhum comentário:
Olá! =D

Chegou a hora de fazer o resumão dos filmes que vão estrear nos próximos meses e, vou te dizer, tem muito filme bom vindo por aí! E outros nem tanto. Vamos dar uma olhada?

::: JULHO :::

  • Homem-Aranha: De volta ao lar - 06/07/17

O amigão da vizinhança, o herói que ganha filme novo praticamente todo ano, está de volta! Dessa vez sob a atuação de Tom Holland - o garotinho de O impossível e No coração do mar.

Depois que a Marvel/Disney conseguiu fazer um acordo com a Sony (que tinha os direitos do personagem no cinema), o Homem-aranha pôde, enfim, integrar o mesmo universo que os personagens de Os vingadores e fez sua estréia oficial no filme Guerra Civil, lançado no ano passado.

Nesse filme, após participar de uma aventura com os heróis mais velhos e experientes, e receber a ajuda tecnológica de Tony Stark, Peter Parker precisa voltar às origens e impedir o plano maligno do vilão Abutre.

  • Carros 3 - 13/07/17

Esse é para quem gosta de desenho e para quem gosta da franquia Carros. Para mim, sinceramente, já se tornou irrelevante. Pixar, vamos conversar: sequências não são sua especialidade.

Nesse terceiro filme, o nosso herói, Relâmpago McQueen sofre um acidente durante uma de suas corridas e corre o risco de ter que se aposentar das corridas para sempre...

Coitado...



  • Transformers: o último cavaleiro - 20/07/17

Olha, eu até gostava da franquia no primeiro e segundo filmes, mas depois perdi o interesse... mas tem quem goste.

Nesse, o herói se torna vilão e teremos muitas explosões e Anthony Hopkins (!!!!!!!!!!!!???????????).

É engraçado: o diretor pediu pra sair, o antigo protagonista diz que odeia a franquia, o atual protagonista disse que não volta... CHEGA, NÉ?




  • Dunkirk - 27/07/17

Filme de guerra escrito, produzido e dirigido por ninguém mais, ninguém menos que Christopher Nolan (da trilogia Batman Begins, A origem e Interstelar).

Eu não sei vocês, mas eu gosto desse diretor e não tenho motivos para duvidar que esse seja mais um grande filme. A história se passa durante a Segunda Guerra Mundial, durante a invasão de Dunquerque.






::: AGOSTO :::
  • Planeta dos macacos: A guerra - 03/08/17

Eu quero muito ver esse filme. Acompanhei toda a franquia até aqui e não tenho nada que reclamar até agora. Adoro essa história e as questões que ela levanta.

Esse é o último filme da trilogia, que promete encerrar com a história que já conhecemos desde... bom, há bastante tempo. Mas nunca se sabe quais surpresas essa narrativa nos reservas, não é mesmo?

César e seu grupo é obrigado a entrar em uma guerra que não desejavam. Após várias perdas em batalha, ele precisa ir contra seus instintos iniciais e partir para a vingança.

  • Annabelle 2: A criação do mal - 17/08/17

Um artesão tenta superar a perda da filha acolhendo uma freira e dezenas de meninas em sua casa... porém, ele e a esposa precisam lidar com os estranhos eventos causados por uma antiga criação dele: Annabelle.









  • A Torre Negra - 24/08/17

Muito bem, taí um filme difícil de explicar. Para começo de conversa, você precisa saber que é um filme de Stephen King. Depois, precisa saber que é uma "adaptação" de uma de suas obras mais importantes, a série de livros de mesmo nome, com 7 livros e 1 spin-off; Terceira coisa que você precisa saber é que o filme é, na verdade, uma continuação dos livros.

Ou seja, eu só li os dois primeiros livros da série, então não sei o que achar desse filme. Vou assistir por causa do Rei e porque a série merece uma adaptação... mas não sei.

Resenha de O pistoleiro.


::: SETEMBRO :::

  • It - A Coisa - 07/09/17

Em setembro, mês do meu aniversário, teremos mais um filme do King (AKA meu autor favorito) e também a adaptação do meu livro favorito: It, a Coisa. Fiz a resenha desse livro em 31 de outubro de 2015.

O livro foi dividido em duas partes, o que achei muito bom. Na primeira parte, um grupo de sete crianças descobre que há um monstro atormentando a pequena cidade de Derry, onde vivem. Como eles parecem ser os únicos a notar a ameaça, eles decidem enfrentá-la com tudo o que têm: esperança.

É o filme que estou desesperadamente-roendo-a-unha para ver. Chega logo setembro!

  • Kingsman: O Círculo Dourado - 28/09/17
Esse é o segundo filme da franquia, que tomou o mundo nerd de assalto em 2015. Adaptação de uma HQ de Dave Gibbons e Mark Miller.

Nessa sequência, o quartel-general da Kingsman é destruído e o mundo é mantido como refém. Os agentes então descobrem a existência de outra agência, americana, chamada Statesman, com quem eles se unem para salvar o mundo de um inimigo em comum.

sábado, 17 de junho de 2017

Filme | Recomendação | Filmes com dança - Parte 1

Nenhum comentário:
Olá você! =D

Hoje vim recomendar alguns dos meus filmes preferidos sobre dança. E olha que não são poucos. Eu gosto de assistir filmes de dança porque, como falei no último post, eles fazem parte da minha vida desde que eu era pequenina, não sabia ler, nem falava inglês... O que nos leva já para a primeira indicação...

1) Dirty Dancing - Ritmo Quente

Recentemente, eu vi que o canal americano ABC faria um remake de Dirty Dancing para a TV. Eu, como fã do filme, não achei que seria lá uma grande ideia, mas tentei ser otimista. Meses depois, o filme saiu e... o público americano não pareceu gostar muito. Eu ainda não vi, então não posso opinar; mas ouvi as novas versões das músicas antigas e as novas músicas da trilha sonora e, pelo menos nesse quesito, posso dizer que aprovei.

Mas essa indicação é sobre o filme de 1987, com Jennifer Grey e Patrick Swayze, um dos clássicos obrigatórios para quem gosta de dança. No filme, Baby (Grey) vai passar as férias de verão com sua família em uma pousada. Lá, ela conhece Johnny (Swayze), por quem se sente atraída... mas é completamente ignorada.

Isso até que a parceira de dança de Johnny precisa se afastar por causa de uma gravidez indesejada, e Baby é a única pessoa disponível para substituí-la - mesmo que na verdade ela não saiba dançar e haja pelo menos outras 30 mulheres dançando na pousada. Okay, não vamos nos aprofundar muito nesse ponto...

O que vale mesmo nesse filme são as danças, e particularmente a dança final, ao som de (I've had) the time of my life, música ganhadora do Oscar de melhor canção original. Mas minha música preferida, mesmo é She's like the wind escrita e interpretada por Swayze.

(Só para constar, o filme tem uma continuação chamada "Dirty Dancing - Noites de Havana", que eu não achei tãããão ruim assim... apesar de também não ser boa. Se é que me entendem).


2) Vem dançar

Okay, muita gente colocaria aqui o filme Dança comigo, com Richard Gere e Jenifer Lopes, mas hey... eu prefiro Antonio Banderas.

Esse é só mais um daqueles filmes em que um professor consegue mudar o destino de seus alunos através de suas aulas. Nesse caso, um professor de dança ajuda adolescentes problemáticos durante o tempo em que eles devem passar na detenção. É baseado em fatos reais e é aquele tipo de filme bobo que todo mundo gosta de ver, mas não admite.


De quebra, esse filme também tem aquele casalzinho que se odeia, mas que tem uma química irresistível. Minha cena preferida, no entanto, não tem nada a ver nem com esse casal, nem com o Banderas... mas com um tango bem "diferente" que tem no final do filme.


*****

;)

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Lista | Casais que eu shipo - parte 1 | Com spoiler

3 comentários:
Olá! =D

Com o dia dos namorados se aproximando, eu achei que estava na hora de falar um pouco sobre os meus ships OTP só porque eu posso! huauahuahuaha


Ah, mas você sabe o que são ships e OTP? Vamos às definições:

  • Ship - Vem da palavra em inglês relationship. São os casais de livros, filmes, séries, quadrinhos ou até pessoas reais, que você curte. Com ou sem motivo, com ou sem sentido.
  • OTP - Ou One True Pairing é o seu casal preferido, aquele que você torce para acontecer, que faz você sofrer e imaginar e correr atrás de fanfics. Ou não... depende da sua idade mental. Mas ainda assim, o seu OTP nada mais é que o seu casal preferido.

Eu não consigo ter apenas um OTP. Ou pelo menos, tenho um em cada história que acompanho. Em Harry Potter, o bom e velho Romione. Em Jogos Vorazes, Everlark (porque a outra opção de nome para a junção dos nomes de Peeta e Katniss é muito bizarra para ser citada aqui...

O que me lembra de mais um detalhe importante quando falamos de ship: os "ship names". Que geralmente são a junção do nome de um personagem, com o nome de seu par romântico na história. Pode ser tanto o primeiro nome, quanto o sobrenome, isso depende do que soar melhor. Porque Peeniss nunca vai ser melhor que Everlark.

Bom, mas porque falar tudo isso, se posso apenas começar a listar meus casais favoritos? Vamos à lista???

Aviso: Esse post vai falar de casais que se tornaram canon, ou seja, confirmados e, portanto, haverá muito spoiler por aqui.

1.
Origem: Livro
Título: Orgulho e preconceito
Ship: Darcy e Lizzy


Eu não poderia deixá-los de fora dessa lista, por razões óbvias. É um dos meus casais favoritos e já falei sobre eles uma dezena de vezes aqui no blog. É tão óbvio que eu nem ligo de já ser uma resposta sem graça. Eles precisavam estar nessa lista!

Darcy e Lizzy são um dos casais mais clássicos, que praticamente definiram a estética dos pares que se odeiam no início, mas que acabam se apaixonando no final. E quem não gosta disso que atire a primeira pedra.

Na história, Lizzy é uma jovem de vinte e um anos, em idade para se casar, que não aceita muito bem os padrões da sociedade em que vive. Não que ela seja uma jovem lá muito rebelde. Está mais para uma jovem "cheia de personalidade". E, quando sua irmã mais velha se apaixona pelo jovem Bingley, Lizzy conhece por tabela o arrogante Fitzwillian Darcy. Os dois não se bicam no início e no fim... bom, no fim...

Eu gosto TANTO desse casal, que shipo todas as versões dele que já encontrei por aí:

A versão do livro, que já citei aqui.
A versão do filme de 2005, pela qual conheci a história e o casal...
A versão da série da BBC...


E a versão da websérie, The Lizzie Bennet Diaries que é só amorzinho... Link.


(A versão de Orgulho e preconceito e zumbis é uma ofensa, mesmo que eu nem tenha lido/assistido).

2.
Origem: Livro
Título: Naruto
Ship: NaruHina - Naruto e Hinata


Mais um dos meus ships favoritos! Eu não sei se já falei deles aqui no blog, mas lembro que foi uma das primeiras vezes em que eu realmente me envolvi com um casal. Esse é o casal em que um deles secretamente ama e admira o outro e, um belo dia, as coisas acontecem. Levou 15 anos, mas chegamos lá!

Naruto é uma criança solitária com um passado sombrio e todos na Vila de Konoha o evitam. As outras crianças o tratam como um estorvo, porque é assim que seus pais o tratam também. Menos Hinata. Ela o observa de longe, o admira e torce por ele em silêncio. Durante ANOS. Mas Naruto é um garoto fofo, carinhoso e eventualmente aprende o que é amor...

Sofri muito por esse casal, acompanhando-os por 7 longos anos! Até que finalmente fui recompensada =D.

3.
Origem: Livro
Título: Harry Potter
Ship: Romione - Rony e Hermione



Ah, Soraya. Mas só tem ship óbvio aqui! Sim e sei que já falei desse casal algumas vezes. Porém, tente entender: eu tenho que tirar os óbvios do caminho para fazer as partes 2, 3... 10, dessa lista! kkkkkkkk

Pois bem, esse casal é dos amigos que se apaixonam. Eles também brigam bastante durante anos, mas são principalmente amigos. E tenho que admitir, Hermione tem que gostar MUITO do Rony para aguentar seus muitos defeitos (mesmo assim eu adoro ele).

Bom, vocês provavelmente conhecem Harry Potter tão bem quanto eu e não vou me estender nesse tópico.

4.
Origem: Filme
Título: Dirty Dancing
Ship: Johnny e Baby



Esse sim, foi meu primeiro ship! Quando eu, minha irmã e minha prima íamos para a casa da minha avó, às vezes ficávamos no quarto das minhas tias assistindo a filmes como Cinderela, A branca de neve, O cão e a raposa, Em busca do Vale Encantado, A incrível jornada e... Dirty Dancing. É, pois é.

Éramos CRIANÇAS, o filme era legendado, e EXTREMAMENTE inapropriado. Está certo que na hora certa uma das minhas tias aparecia para "adiantar" a fita e nos poupar da parte "picante", mas francamente, o nome do filme em português é Ritmo quente, o que é um grande eufemismo, para dizer o mínimo.

Esse é o casal "Garota boazinha, mas rebelde; Cara bad boy, mas de bom coração".

Johnny é um instrutor de dança de uma colônia de férias onde Baby (Frances) vai passar o verão com sua família. Ela começa a ter aulas de dança com Johnny e o resto é história...

5.
Origem: Filme
Título: 10 coisas que eu odeio em você
Ship: Kat e Patrick


Aaaah, você realmente achou que eu não viria com essa? Huauhaua Foi o primeiro casal de muita gente da minha geração. Isso com certeza. Esse é o casal que aconteceu "por causa de uma aposta".

Esse filme é um tanto complexo de resumir em poucas palavras, sem perder detalhes importantes. Eu duvido que alguém na faixa dos 20 e poucos, como eu, não conheça esse filme... É ótimo demais para assistir apenas uma vez.

Patrick aceita sair com Kat por dinheiro, para que Cameron possa sair com a irmã dela, Bianca... e tem o personagem do cara que gosta da Bianca, que é quem paga o Patrick, e os amigos do Cameron, e... aaaahhh!!! Para mim, essa é a comédia romântica adolescente definitiva. Sem mais

******

E você? Quais seus casais favoritos do cinema, da TV, dos livros e dos quadrinhos? Ou será que você secretamente shipa um casal real??? ;)