domingo, 22 de junho de 2014

Blog | Comentários

5 comentários:
Um comentário pelo amor de Deus. Um comentário, meu, por caridade...

Não, não vou comentar nem responder comentários do blog. Também não vou pedir por nenhum comentário. Apenas vou tentar repassar para vocês uma discussão frequente em um grupo que sigo no Facebook, além de outras considerações que acumulei sobre o assunto durante meus seis anos como ficwriter e blogueira. E, não vou mentir, vou procurar conscientizar alguns de vocês da importância de gastar alguns minutinhos comentando um post, um capítulo, qualquer outro conteúdo recebido na internet...
Você pode perguntar para qualquer produtor de conteúdo para internet o que é que o deixa mais feliz. A resposta será ter o retorno daquilo que ele produziu. E aproveite e pergunte o que é que o deixa mais desanimado para continuar produzindo: não receber esse retorno. Estamos falando de dinheiro? Não. Poucas pessoas conseguem efetivamente ganhar dinheiro na internet. Estamos falando de reconhecimeno pelo trabalho feito? Talvez, isso seria bem legal, realmente. Ou estamos simplesmente falando de comentários. Não precisa ser bom, não tem problema se for ruim. Se eu receber um comentário dizendo que meu texto é uma droga, vou ficar chateada, sim, mas aceitarei e tentarei corrigir.
Não sei porque as pessoas não comentam. Quero dizer, você gasta lá certo tempo lendo um post num blog e o que faz assim que acaba de lê-lo? Segue para outro, fecha aquele site... o quê? Sério, não é uma pergunta retórica. O que você faz quando termina de ler uma das resenhas desse blog?
Como não tenho maneira de saber a resposta antes de postar esse texto, vou seguir em frente. Então, vou simplesmente imaginar uma pessoa que permanece no mesmo blog depois de terminar um texto. Também não tenho como saber o que essa pessoa achou do texto, se ela não me disser. Como não recebi nenhum xingamento até agora, vou simplesmente assumir que as pessoas não estão odiando o que escrevo, o que é um alivio. Mas será que posso assumir isso como certo? Enquanto ninguém me disser nada que prove o contrário, posso sim. Então, obrigada?
Nha, prefiro não agradecer por isso.
Vamos lá. Como eu disse lá no comecinho desse post, sou ficwriter há seis anos. E com isso quero dizer que escrevo a mesma fanfic (de Naruto, desculpa sociedade), há seis anos. De qualquer forma, o que aprendi com essa experiência, além de melhorar a minha escrita graças à muitas tentativas e erros, foi lidar com uma coisinha superestimada chamada comentários.
No começo, boa parte dos comentários que eu recebia era do tipo: "continuaaaaa", "posta mais" e "acompanhando". Simples, curto e que não diz nada. Eu, natualmente, odiava todos eles. Quanto maior era o "continuaaaaaaa" mais eu odiava. Mas, pior que isso é não ter comentário nenhum. Porque pelo menos um "continua" te mostra que alguém está interessado naquilo. Não é o ideal, mas é alguma coisa. Aprendi a aceitar isso.
E foi sem surpresa que descobri, já há bastante tempo aliás, que muitos dos meus colegas ficwriters passam pelo mesmo problema e, olha, isso gera muito drama. Palavra!
Na tal comunidade do Facebook que citei, as pessoas vivem se perguntando, e perguntando para os outros, se tem alguma coisa errada com as histórias delas, com suas escritas, com elas! Muita gente desiste de escrever. Tudo bem, algumas pessoas, especialmente aquelas que estão com raivinha por que "Cinquenta tons de cinza" só existe por ser uma fanfic de "Crepúsculo", que é muito bom as pessoas pararem de escrever fanfics. No entanto, ignoram que muitas pessoas, como eu, começaram a escrever fics para exercitar a escrita, perder algumas travas e descobrir se alguém leria o que quer que elas escrevam. É um bom método? Talvez sim, talvez não, para mim funcionou por um tempo.
Outro efeito colateral da falta de comentários são as pessoas começarem a   chantagear o leitor. "Só posto se tiver X comentários". Sim, pois é, existe esse tipo de gente. Mas francamente, você pode realmente culpá-la? Como ela pode saber se está fazendo algo certo se as pessoas não dizem para ela?
Ok, você não consegue se solidarizar com gente que "usa a obra de outros autores para se promover"? Então, vamos voltar para o universo dos blogs. Também sou blogueira e também sei o que é ficar horas, dias, semanas e meses esperando comentários nos posts que escrevo aqui... e eles muitas vezes não chegarem. Pois é, isso é com você aí, sim senhor(a).
Não vou ficar aqui implorando, nem reclamando, mas pare para pensar um pouquinho na situação de alguns blogueiros por ai, que estão tentando colocar conteúdo interessante na internet. Pense na quantidade maravilhosa de blogs literários que surgiram nos últimos cinco anos, e até nos vlogs que estão enchendo o youtube e me deixando muito feliz. Pense por um momento nas horas que essas pessoas gastam pensando no que vão postar, em como vão escrever aquela resenha, qual livro vão ler, e no tempo em que o texto em si demora para ficar pronto. Agora imagina que você é uma dessas pessoas.
Legal, né?
Pois bem, eu não vou implorar, pedir, nem dizer que precisamos de comentários. Como eu disse antes, até agora não me xingaram, nem à minha amiga Bárbara, e temos cada vez mais seguidores no Facebook (obrigada, aliás). Sendo assim, pelo que sei, estou autorizada a achar que estamos fazendo bonito.
Ao invés de pedir comentários, vou deixar o meu compromisso em comentar todo conteúdo que eu ler ou assistir na internet. Ou pelo menos, mais que a metade, o que já é considerável, considerando o tanto de coisa que eu vejo na web...
Peraí, Soraya, você está dizendo que não comenta tudo? Sim, meu caro leitor, é exatamente o que estou dizendo. Especialmente no youtube,  enfim. Não me orgulho de ter deixado tanta gente sem feedback. Agora que tenho visto tanta gente sofrendo por falta de comentário, percebi o quanto é importante. Claro, com o passar dos anos, aprendi a relevar a falta de comentário. Tem muita gente que sente muita timidez, mesmo que a internet tenha a característica de nos esconder, tem medo de falar besteira, de dizer algo irrelevante, sei disso porque já me senti assim. Porém, comecei a me perguntar se a minha omissão contribuiu para o desânimo de algumas pessoas. Decidi não arriscar e começar a comentar. Mas essa sou eu. Cada um tem sua própria forma de ver as coisas e suas prioridades.
Sobre este blog: queremos comentários? Claro que sim. Você é obrigado a comentar? Claro que não. Vamos nos desanimar completamente e fechar o blog se ele não tiver comentários? Não. Você gastou alguns minutos para ler um texto e pode gastar mais alguns minutos para comentá-lo? Esteja à vontade. Críticas, sugestões e dúvidas são bem vindas. Não quer perder tempo comentando? Tudo bem. Um abraço e até a próxima então. :)